Reserva on-line dos bilhetes para a Galeria da Academia

A galeria é muito famosa pela presença dos Prisoneiros e do David de Michelangelo, este último aqui transportado no final do século XIX e colocado na espetacular galeria especialmente criada. 
Aqui, estão conservadas também muitas pinturas do século XIII ao século XVI, uma importante gipsoteca com obras de Lorenzo Bartolini e Luigi Pampaloni, e uma coleção de ícones russos.  A partir desta página é possível comprar os bilhetes para visitar a Galeria da Academia, sem fazer a fila!

Uffizi

Reserve seus ingressos para visitar a Galeria da Accademia sem fazer fila!

1. CLICCA SU UN GIORNO VERDE DEL CALENDARIO

  Disponibile    Non Disponibile

Informazioni Utili:

Situada no coração da cidade, a Galeria da Accademia contém exemplos de esculturas e pinturas de grandes artistas florentinos do XIV e XV séculos que fizeram de Florença capital da arte.


Foi fundada em 1784 a mando de Granduca Pietro Leopoldo de Lorena para que os alunos da Accademia delle Belle Arti tivessem a oportunidade de aprofundar seus estudos observando as obras de arte expostas no local.


A estátua de David chegou a Galeria em 1873 para ser protegida das intempérias de onde estava exposta até então.
Só em 1882 a obra de arte de Michelangelo conquistou seu espaço na Tribuna projetada especialmente para ela por Emilio de' Fabris.
Com o tempo a Galeria Accademia conquistou fama com esculturas de Michelangelo e enriquesseu cada vez mais com esculturas e pinturas de artistas mais ou menos famosos que deram título a Florença de capital da arte.
Por volta de 1980 a Galeria enriquesseu ainda mais com uma Gipsoteca colocada no Salone dell'Ottocento.


A Galeria é formada por dois andares, o terreo, sem dúvida, é o mais famoso e o mais admirado.
O percurso começa pela sala do Anticolosso, onde atualmente encontra-se o original em gesso do Ratto delle Sabine de Giambologna (1582).
Maravilhas como o Cristo in Pietá de Andrea del Sarto e a Deposizione della Croce di Filippo Lippi, são pinturas sacras que cobrem as paredes e encantam os visitantes.
Desta sala tem-se acesso a Galeria dei Prigioni, um corredor com uma série de esculturas expostas não terminadas por Michelangelo
as emoções se intensificam diante de enormes pedaços de pedras de onde o artista tem incrível capacidade de trasformar em formas vivas como se estivesse livrando um prisioneiro da matéria prima usada.


Entre estas famosas esculturas podemos observar a Pietá da Palestrina, colocada na Galeria em 1940.
A obra de arte tem dimenções  fora do comum e foi atribuida a Michelangelo para poupar o escultor do falimento grave na realização da escultura. Na tribuna encontra-se o inconfundível David de Michelangelo, simbolo da cidade de Florença desde o tempo da família de´Medici.
A estátua representa o personagem biblico a espera de lutar com o Gigante Golia.
Nos dois corredores laterais da tribuna encontram-se exemplos de arte florentina de 1500
pinturas sacras com cores fortes e cupas como a Disputa sull' Immacolata Concezione de Carlo Portelli.


No final do corredor esquerdo da tribuna de David (Salone dell´Ottocento), foi criada uma Gipsoteca, assim chamada em homenagem a Lorenzo Bartolini (1777-1850).
A Galeria de gessos foi aberta ao público só em 1985.
Destacam-se cerca de 300 bustos realizados pelo retratista Bartolini que retraem a imagem de representantes da alta burguesia e demonstram a abilidade manual do artista.
O tema mitológico é bem exemplificado pelas obras
Voto dell´innocenza, Venere, etc.


O percurso termina com as salas Bizantinas, onde encontram-se exemplos de pinturas florentinas da primeira metade de 1300.
Na primeira das três salas é "L´Albero della vita" (ilustração do texto leterário "Lignum Vitae"(S.
Bonaventura))  a chamar a atenção, realizado por Pacino di Bonaguida que na obra representou episódios da vida de Cristo, dos Santos e história da Gênesis.
Na segunda sala podem-se admirar as "Formelle" pintadas por Taddeo Gaddi em torno de 1330 para decorar um armário reliquiário da Basilica de Santa Croce.
Por fim a sala dedicada a Andrea, Nardo e Jacopo di Cione, os três irmãos Orcagna cuja pinturas sacras representam o periodo de 1300 em Florença.


As quatro salas do primeiro andar foram abertas ao público em 1985.
Na primeira encontram-se pinturas de Giovanni da Milano e outros pintores florentinos.
Na segunda temos exemplos de pinturas florentinas da segunda metade de 1300, entre as quais cores fortes e cupas de Andrea Orcagna.
A terceira sala expõe uma seleção de obras de Lorenzo Monaco (1370-1423), famoso pintor e miniaturista.
Na quarta e última sala temos exemplos de pintura Tardogótica florentina nas ilustrações de Lorenzo Monaco e do Gótico internacional com Gherardo Starnina  e outros artistas contemporâneos.

Museus de Florença

Pesquisar no mapa!

O que pensam as pessoas que compraram bilhetes conosco